Membros

Orquídeas, uma festa para os nossos olhos...


Que bela festa para os nossos olhos são as orquídeas... Que belo presente também! Qual a origem delas?
Referências às espécies de orquídeas somente apareceram na Era Cristã. O primeiro livro sobre orquídeas provavelmente foi escrito em chinês, mais ou menos no ano 1000, e relacionava nome de espécies de variedades e dava instruções sobre a sua cultura mas, em escritos da literatura oriental, encontrou-se a expressão: "Ran trascala perfume dos Reis". A palavra chinesa que significa orquídea é Ran ou Lan e ela reaparece em vários trabalhos de poetas e filósofos como o resumo de pureza, graça e fragrância. No século XV, surgiu a imprensa e também uma longa linha de livros e folhetos relacionados às orquídeas. Já não se via somente a inclusão das orquídeas em relações de plantas de ervas por suas supostas qualidades medicinais. 0 interesse botânico pelas orquídeas progrediu paulatinamente, tomando grande impulso e conquistando maiores conhecimentos com a invenção do microscópio com lentes acromáticas. A partir do princípio do século XIX, o número de orquídeas introduzidas na Inglaterra cresceu gradualmente, enviadas por botânicos, viajantes ou marinheiros procedentes de lugares distantes.
Quanto mais exemplares eram vistos pelo público, a beleza e estranheza das flores criavam mais excitação, fazendo com que todos quisessem cultivar suas próprias "plantas raras e exóticas". Assim surgiram os grandes viveiristas. Em 1853, foi descoberto que era possível fazer a hibridação das orquídeas. Em 1856 tornou-se possível reproduzir seletivamente, pela cor, tamanho, forma e hoje já existem mais de 65 mil híbridos registrados. Significado da Orquídea A beleza e a elegância das orquídeas não permitem que essas flores passem despercebidas aos olhos humanos. As orquídeas constituem uma interessante família de plantas superiores que não medem luxo e exuberância em suas formas. Graças a essas formas delicadas e às sutis nuances de cores com que se apresentam, as orquídeas adquiriram, com o passar dos séculos, uma forte conotação sexual. A oferta de uma flor solitária, no lugar da planta viva, por exemplo, sugere intenções impublicáveis!! No entanto existem algumas indicações de cores de acordo com o sexo da pessoa. Para mulheres é preferível oferecer orquídeas bege, rosa, vinho e coral. Já para os homens o branco e o amarelo são mais indicados. A Lenda da Orquídea Em uma cidade chinesa existia uma jovem chamada Hoan Lan, que divertia-se em fazer penar suas paixões aos seus numerosos adoradores. Por um sorriso, o jovem Kien Fu tinha cinzelado o ouro mais fino e trabalhado com paciência lindas peças de jade. A ingrata, após se adornar com todos os presentes do nobre apaixonado, riu-se dele e o desprezou. Kien Fu, desesperado, acabou com a própria vida atirando-se ao Rio Vermelho. O pintor Nguyen Ba conseguiu obter cores desconhecidas para pintar o retrato de sua amada. Esta, porém, depois de ter exibido para a satisfação de sua vaidade a magnífica pintura, desprezou o artista que desapareceu para sempre no mistério das selvas. Mai Da, apaixonado também, quis patentear seu amor à jovem volúvel, inventando um perfume delicioso somente digno dos anjos. A ingrata perfumou-se e mandou pôr na rua o seu adorador que, nada mais aspirando na vida, se envenenou. Cung Le levou sua perseverança a incrustar nácar numa pulseira de ébano que foi recebida pela ingrata. O pobre endoideceu. Mas o poderoso Deus das cinco flechas, Deus que a tudo via e tudo ordenava, julgou que era o momento de castigar tanta maldade, fazendo a jovem volúvel apaixonar-se pelo formoso Mun Cay. Desde então, Hoan Lan sonhava no seu leito de nácar e sedas bordadas com seu adorado, cujo nome esvoaçava sobre seus lábios de carmin como uma borboleta sobre a rosa. Ao despertar descia à piscina, banhava-se e adornava-se com suas jóias mais preciosas para ver passar seu querido Mun Cay, que apenas se dignava a levantar os olhos para ela. Nunca tinha considerado a formosa jovem, nem se interessado pela fama de beleza que tinha ardido à sua volta. Os dias iam passando, e Mun Cay não saía de sua indiferença cruel. Um dia, Hoan Lan decidiu sair-lhe ao encontro e declarar-lhe paixão. "Não me interessas, rapariga" - disse ele. "És como todas as outras. Para mim não vales nada. Se fosses como aquela que eu amo... Esta sim, é uma deusa". Tu, mísera Hoan Lan, com toda tua vaidade, não serves nem para atar-lhe as fitas das sandálias". E, com um sorriso desdenhoso, afastou-se. Em meio de seu desespero, Hoan Lan lembrou-se do Deus todo poderoso que vivia na montanha de Tan-Vien. Talvez ele pudesse lhe valer. Apesar da noite escura e chuvosa, a jovem dirigiu-se ao monte sagrado, onde residia sua última esperança. A entrada do templo subterrâneo era guardada por um terrível dragão. Suplicou-lhe a concessão de entrada e ao cabo de muitos pedidos conseguiu penetrar num extenso corredor, por entre serpentes horríveis que lhe babujavam os pés nus. Quando chegou junto ao trono de ônix do poderoso gênio, prostrou-se e implorou: "- Cura-me, que sofro horrorosamente. Amo Mun Cay que me despreza." - "É justo o castigo" - respondeu o Deus - "pois isso mesmo tens feito aos teus apaixonados."" - Oh, Todo Poderoso, tem dó de mim. Concede o amor de meu querido Mun Cay. Sabes bem que não posso viver sem ele". " - Vai-te daqui" - rugiu o gênio - "nada conseguirás. 0 castigo que pesa sobre ti, foi imposto pelo Kama que tudo sabe. É justo que sofras. Sai do meu templo". À saída, Hoan Lan encontrou-se com uma bruxa de pés de cabra. " - Formosa jovem" - disse-Ihe a bruxa - "sei que és muito desgraçada. Queres vingar-se de Mun Cay? Vende-me a tua alma e juro-te que, embora Mun Cay não te ame, não amará a outra mulher". - Hoan Lan voltou à sua casa, que lhe parecia um cárcere. Saía para os bosques a distrair sua pena, mas sempre em vão. Um dia, vendo ao longe seu adorado Mun Cay, correu para ele e, quando se preparava para abraçá-lo, o jovem foi transformado numa árvore de ébano. Neste momento apareceu a bruxa que, soltando uma gargalhada, lhe disse: - "Desta maneira o teu amado não pode ser nunca de outra mulher". - "Bruxa infame!" - exclamou chorando, a pobre Hoan Lan - "o que fizeste a meu adorado? Devolva-mo ou mata-me". - "Contratos são contratos" - replicou a bruxa, rindo satanicamente. "Cumpri o que prometi. MunCay, embora nunca te ame, não amará a outra mulher. Prometi e cumpri. A tua alma me pertence". - Hoan Lan, abraçada ao pé da árvore, clamava desesperadamente a seu tronco imóvel: - "Perdoa-me, Mun Cay. Tem para mim uma só palavra de amor, de indulgência e compaixão. Não vês como me arrasto aos seus pés, como te abraço, como sofro?" Mas a árvore nada respondia e a jovem ali ficou por muito tempo? Uma manhã passou por ali um gênio que se compadeceu da sua dor. Acercando-se dela, pôs-lhe um dedo na testa e disse: - "Mulher, procedeste muito mal. Foste volúvel até a crueldade e ingrata até a malvadez. Procedeste muito mal. Mas tua dor purificou a tua alma. Estás perdoada e vais deixar de sofrer. Antes que a bruxa venha buscar a tua alma, vou transformar-te numa flor. Ficarás sendo, no entanto, uma flor esquisita e requintada, que dê a impressão do que foi a tua vida maldosa. Quem vir as tuas pétalas facilmente adivinhará o que foi o teu espírito, caprichoso, volúvel, cruel, e a tua preocupação constante pela elegância. Concedo-te um bem: não te separarás do bem que adoras e viverás da sua seiva, parasita do teu amado". Assim falou o poderoso gênio. E, quando falava, a túnica rósea de Hoan Lan ia empalidecendo e tornando-se de uma delicada cor lilás. Os olhos da jovem brilharam como pontos de ouro e as suas carnes tomaram a tonalidade do nácar. Os seus formosos braços enrolaram-se na árvore na derradeira súplica. E assim apareceu a primeira orquídea do mundo. eja aqui os detalhes básicos para cultivá-las corretamente: Luz A exposição direta à luz solar causa queimaduras nas folhas da maioria das orquídeas. A condição de iluminação mais recomendada é a de 50 a 70% de sombra, que é obtida ao cultivar as orquídeas sob árvores, telados ou ripados. Varandas ou áreas de serviço de apartamentos também são bons locais, mas é preciso cuidado, nesses casos, para que as orquídeas recebam o sol da manhã. Alguns especialistas afirmam que em apartamentos, os melhores lugares para as orquídeas são atrás da janela do banheiro ou um terraço envidraçado, onde há luz filtrada. Para saber se as condições de iluminação estão adequadas, é só observar a planta: folhas amareladas indicam excesso de luz; já as folhas estreitas, longas e de cor verde bem escura indicam iluminação deficiente. Plantas como Vanda, Dendrobium, Cymbidium e várias espécies de Oncidium suportam luminosidade mais intensa, enquanto que Phalaenopsis, Miltonia, Laelia e Pumilan preferem baixa luminosidade. Temperatura A maioria das orquídeas toleram variações de temperatura entre 10 a 400 C, mas a temperatura ideal fica em torno de 25 graus. Orquídeas como Phalaenopsis e Vanda preferem temperaturas mais altas, enquanto que as Miltonias, Cymbidiums, e Paphilopedilum se dão melhor com temperaturas mais amenas. Vasos e substratos Recomenda-se evitar o uso de vasos muito grandes. Pode-se usar tanto os vasos de barro como os de plástico, mas as fibras de xaxim (não confundir com pó de xaxim) são ainda o substrato que dão melhores resultados. Atualmente também há a opção da fibra de coco, igualmente eficiente e mais ecológica. Certas espécies de orquídeas, como Cattleya walkeriana, C. Nobillor, C. Schilleriana, C. Acladiae e a maioria das espécies de Oncidium desenvolvem-se melhor sobre placas xaxim ou pedaços de casca de madeira do que em xaxim desfibrado. Adubação A fórmula NPK (nitrogênio, fósforo e potássio) deve ser aplicada a cada duas semanas, na proporção de 1 colher (café) por litro de água, durante a primavera e o verão. A adubação pode ser suspensa nos meses do outono e inverno. Uma boa opção de adubação orgânica é a torta de mamona (1 colher de sobremesa por vaso), que pode ser fornecida uma vez ao ano, depois que o sistema radicular estiver bem desenvolvido.Ventilação e umidade Por serem plantas epífitas - possuem raízes aéreas -, as orquídeas suportam bem uma brisa suave e contínua, mas deve-se evitar ventos fortes e canalizados. Se as plantas estivem num orquidário, recomenda-se protegê-lo do vento sul, usando um plástico transparente. Ainda por sua característica epífita, as orquídeas preferem mais a falta do que o excesso de água junto às raízes. As regas devem ser feitas apenas quando o substrato estiver seco. Ao regar, uma boa medida é deixar a água escorrer pelo fundo do vaso. Outro detalhe: as orquídeas são plantas adaptadas à condições de umidade do ar relativamente elevadas. Em regiões mais secas, recomenda-se borrifá-las com água periodicamente. Mais uma vez, o que deve prevalecer é sempre o bom senso: para ter sucesso no cultivo de orquídeas, os excessos devem ser evitados. Apesar de gostar de umidade, ventilação e claridade, as orquídeas não suportam ficar expostas diretamente ao vento, sol e chuva. Em jardim elas vão crescer sadias sob as árvores ou até fixadas nos troncos. (Publicado na revista "Mulher Perfume", edição 1,
Uma excelente dica de presente.Dê um vaso com uma muda de orquídea.
Veja nesse site dicas de cultivo e cuidados:
http://www.orquideana.com.br/
http://www.orquidariocuiaba.com.br/

Fonte de pesquisa: SOS Orquídeas